29 de julho de 2016

O que me irrita - "Ah e tal os químicos"

Sinceramente há dias em que tanta parvoíce me passa pela vista que não consigo evitar partilhar os disparates que leio. Este meu acto deve-se essencialmente a dois factores: por um lado preciso de saber e confirmar que ainda não foi desta que perdi a noção do real e que efectivamente aquilo não faz sentido e, por outro lado, fazer com que quem me lê reflicta também sobre a "informação" que nos é impingida. 

Serve o introito para o seguinte: mais do que muitas vezes leio em revistas, sites e até em alguns comentários pessoas que não usam "químicos". A minha questão é: o que é químico? Qual o conceito de químico?

Vamos por partes, e aqui posso ir fora de pé porque a minha área até é humanidades, mas para mim químico é tudo! E vamos pelo exemplo básico, a água. A natureza dá-nos a água certo? É "químico"? Sim, na realidade são moléculas de oxigénio e hidrogénio logo é uma substancia que resulta de uma reacção química.

Então vamos ser menos radicais: Químico é tudo aquilo criado pelo homem, tudo aquilo que a natureza não nos dá. Então mas se assim é o petróleo e os seu derivados também não são químicos. Porque ninguém cria petróleo num laboratório, certo?

O problema dos "não químicos" é que gostam de escolher o que lhes dá jeito. Ora é químico, era não é, consoante o preconceito (conceito pré estabelecido) daquilo que se deve, ou não, usar. 

E assim sendo, meus queridos leitores, tudo é químico. Deixem-se de estórias da carochinha e falsos alarmismos criados por revistas que tê patrocínios de marcas "orgânicas" (o orgânico também dava para uma reflexão gira). Tudo é químico, incluindo o ser humano, por isso quando se quiserem basear num argumento para comprar ou não um produto, escolham outro.

O químico não pega.

0 comentários:

Enviar um comentário

Deixa a tua opinião aqui!

Notas

Aqui escreve-se ao abrigo do antigo acordo ortográfico.

Contacto: pinderiquicespindericas@gmail.com

© Pindérica, AllRightsReserved.

Designed by ScreenWritersArena