26 de janeiro de 2015

A culpa é da mãezinha!

Com 25 anos e a viver "sozinha" não deixo de me espantar com a quantidade absurda de gente inútil na minha geração. Ora como se não bastasse a crise (endémica, mas vamos fingir que é algo moderno), o desemprego e a falta de valores (paizinhos que deixam as criancinhas faltar a testes para ficar na fila da violetta - esta é para vocês) é toda uma nova moda do "Não-sei-fazer-nada-porque-em-casa-faziam-tudo-por-mim".

Pertencer a uma geração que olha para a bimbi com o mesmo entusiasmo que à 50 anos se olhava para o homem na lua não deixa de me surpreender uma e outra vez. E criaturas que dão pelo nome de adultos (apesar de o novo conceito de jovem ir até aos 35 anos) não saberem estrelar um ovo, passar uma tshirt ou, por vezes, lavar a loiça dá-me uma certa respulsa.

A culpa é da mãezinha? Pois em parte sim, e provavelmente do paizinho também, que as mãezinhas fazem muito mas ainda não fazem tudo. Mas eu questiono-me como é que estes embriões de gente, que acham que são "crescidos" para sair de casa dos paizinhos, acham que vão viver? É que o masterchef ainda não tem serviço take-away (apesar de a marmitinha da mamã pelos vistor ter refill automático ao fim de semana).

Mais grave que não saber é esta geração achar que não tem de aprender, porque há bimbis, mulher-a-dias e a mãezinha passa a roupa das criaturinhas quando lá vão a casa. Temo, sinceramente, pelo momento em que a minha geração começar a ter filhos porque ou os criadores da bimby deselvovem um descodificador de choro ou a coisa vai dar para o torto e as avós vão passar a responder uma linha de atendimento de emergência.

Sabem que mais? Agradeço à minha mãezinha, e à mãezinha do homme, todos os dias, por não só nos terem educado, mas, principalmente, por nos terem ensinado a ser adultos independentes.

7 comentários:

  1. Sara Liliana B. Matos26 de janeiro de 2015 às 17:41

    Está dito!

    ResponderEliminar
  2. Desde que tive uma colega muito chocada porque eu sabia fazer arroz branco, sim, um simples e mísero tacho de arroz, já nada me espanta.

    A minha mãezinha,paizinho e avózinha ensinara-me a mim e ao meu irmão também, porque isto de só as meninas saberem das lidas da casa é muito séc. XX.

    ResponderEliminar
  3. Apesar da violência do texto lol (à qual até achei graça, porque deu-lhe outro "toque"), não posso deixar de concordar com a tua opinião.
    Infelizmente o meu namorado sem foi mal habituado. É filho único e portanto foi apaparicado até à exaustão (ainda bem que nem todos os pais fazem isso), e tem uma mãe que até hoje (tendo ele 28 anos) só não anda com ele ao colo e não lhe dá papa na boca porque não pode. Digo isto porque até ele ir viver comigo, ela sempre achou que ele não precisava de fazer nada porque ela fazia, e um dia ia encontrar alguém que fizesse por ele (o que acho completamente descabido, porque não vivemos na idade média). Quando comecei a frequentar mais a casa dos pais dele, sempre que ele se oferecia para lavar a loiça ao fim de uma refeição, a mãe quase que o arrancava da cozinha pelos cabelos!
    Claro que o argumento "ela não me deixa fazer" não é justificação para ele nunca ter insistido e não ter aprendido, mas felizmente desde o primeiro dia que fomos viver juntos que ele sempre mostrou interesse em aprender a fazer tudo e sempre me ajudou em todas as tarefas. E hoje em dia não há nada que eu faça que ele não faça também, caso contrário tínhamos o caso mal parado...

    ResponderEliminar
  4. Pois claro! è que as mulheres trabalham e ter um gajo em casa que nao sabe fazer nada não serve!

    ResponderEliminar
  5. A violencia foi em tom de provocação, mas de facto já assisti a tanta coisa deste genero que achei que devia escrever sobre o assunto.
    O teu namorado é o bom exemplo, nao sabe mas quer aprender, que infelizmente não é a regra mas sim a excepção...
    Eu também sou filha unica mas sempre os meus paizinhos me meteram a fazer de tudo em casa.

    ResponderEliminar
  6. Conheço casos de filhos únicos em que os pais os ensinam/ensinaram da mesma forma que os teus te ensinaram em relação a tarefas domésticas. Daí ter dito que felizmente nem todos são como a mãe (e pai) do meu namorado (resolvi esclarecer esta parte porque pela tua resposta não consegui depreender se me tinha feito entender no meu primeiro comentário lol).

    ResponderEliminar

Deixa a tua opinião aqui!

Notas

Aqui escreve-se ao abrigo do antigo acordo ortográfico.

Contacto: pinderiquicespindericas@gmail.com

© Pindérica, AllRightsReserved.

Designed by ScreenWritersArena